sábado, 30 de janeiro de 2010

PROPAGANDA POP: O perfume Beyonce Heat

ESSE CLIPE DARIA UM FILME: "Bad Girl" com Madonna

O segundo post da série “Esse clipe daria um filme” também é óbvio: Madonna. Todo mundo sabe que a moça tenta até hoje obter no cinema o mesmo respeito que tem na música pop mundial. Para os frequentadores deste blog, ela já conseguiu o aval há muito tempo, desde “Procura-se Susan Desesperadamente”.

E se você pensa que o clipe escolhido foi algum do filme “Evita”, enganou-se. Nossa escolha foi “Bad Girl”, que teve na direção do vídeo o David Fincher. Além do mais, o clipe tem a presença do ator Christopher Walken.

No curta, Madonna interpreta a personagem Louise Oriole, que aparece em uma série de relacionamentos e comportamentos pouco saudáveis e auto-destrutivos. Louise é observada por um anjo (interpretado por Christopher Walken), mas nem seus esforços são suficientes para prevenir o destino trágico da personagem.

O clipe foi inspirado no filme “Looking For Mr. Goodbar”, com Diane Keaton. O que a personagem Louise tem a ver com Madonna? Tudo! Naquela época, ela queria mostrar que teve vários relacionamentos fracassados. E também mostrava o medo que a Diva tinha da morte.
Bad Girl

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

LISTA POP: Os 20 discos mais vendidos no mundo em 2008

1 Coldplay - "Viva La Vida Or Death And All His Friends"
2 AC/DC - "Black Ice"
3 Various Artists - "Mamma Mia! The Movie Soundtrack"
4 Duffy - "Rockferry"
5 Metallica Death Magnetic
6 Leona Lewis - "Spirit"
7 Amy Winehouse - "Back To Black"
8 Various Artists - "High School Musical 3: Senior Year"
9 Lil Wayne - "Tha Carter III"
10 Rihanna - "Good Girl Gone Bad"
11 Madonna - "Hard Candy"
12 Beyonce - "I Am... Sasha Fierce"
13 P!nk - "Funhouse"
14 Guns N' Roses - "Chinese Democracy"
15 Britney Spears - "Circus"
16 Jack Johnson - "Sleep Through The Static"
17 Il Divo - "The Promise"
18 Taylor Swift - "Fearless"
19 Jonas Brothers - "A Little Bit Longer"
20 Various Artists - "Camp Rock OST"

Fonte: IFPI

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

LISTA POP: Os artistas / cantores que mais venderam discos no mundo (esta foi a última lista divulgada, em 2007)

1° Beatles - 400 Milhões
2° Michael Jackson - 350 Milhões
3° Elvis Presley - 300 Milhões
4° Maddona - 275 Milhões
5° Nana Mouskouri - 250 Milhões
06. Cliff Richard - 250 Milhões
07.The Rolling Stones - 250 Milhões
08. Mariah Carey - 230 Milhões
09. Elton John - 220 Milhões
10.Celine Dion - 220 Milhões

Fonte: IFPI

LISTA POP: Os 10 CD's, discos, álbuns mais vendidos do Brasil de todos os tempos

Começa hoje, aqui neste blog, mais um novo “tag”, o LISTA POP. Neste eu vou colocar as listas mais pop's que existem nesse universo musical que tanto gostamos. Começo com a listagem dos discos que mais venderam no Brasil. Nenhuma surpresa, mas vale o registro.

1º. Padre Marcelo Rossi – Músicas para louvar o Senhor (1998) – 3.228.468 cópias
2º. Xuxa – Xou da Xuxa 3 (1988) – 3.216.000
3º. Leandro e Leonardo (1990) – 3.145.814
4º. Só Pra Contrariar (1997) – 2.984.384
5º. Xou da Xuxa (1989) – 2.920.000
6º. Xuxa – Xegundo Xou da Xuxa (1987) – 2.754.000
7º. Leandro e Leonardo – Um sonhador (1998) – 2.732.735
8º. Xuxa – Xou da Xuxa (1986) – 2.689.000
9º. Mamomas Assassinas (1995) – 2.468.830
10º. Terra Samba ao vivo e a cores (1998) – 2.450.411
Fonte: ABPD

FLASH POP: A TAP Portugal e a Infraero homenagearam a cidade do Rio de Janeiro e o Aeroporto Internacional Tom Jobim

MOMENTO SLEEVEFACE: Martinho da Vila (1969)


sábado, 23 de janeiro de 2010

DAVID GUETTA

Exatamente como no ano passado, escolho aqui o produtor mais pop. Stuart Price foi eleito o melhor de 2008, mesmo num ano em que Timbaland dominou as paradas de sucesso do mundo inteiro. Price produziu excelentes discos, como o “Day & Age” do The Killers.

O maior produtor pop de 2009 foi o David Guetta. Você pode até fazer uma careta; entendo, mas foi sim ele o responsável pelos maiores sucessos das pistas e paradas desse ano que passou.

Como a nossa escolha se baseia não simplesmente no melhor em quesito qualidade sonora, mas também em conseqüências de destaque no cenário musical, David Guetta produziu uma das canções mais empolgantes, não só de 2009 - como talvez da década - o mega hit “I Gotta Felling”, do Black Eyed Peas. Além disso, colocou a Euro Dance, “When Love Takes Over" (feat. Kelly Rowland), no topo das paradas de vários países.

Guetta vem caminhando para um sucesso deste tamanho desde da década de 90, mas foi em 2005 com a forte "The World Is Mine" e em 2007 com o hit radiofônico "Love Is Gone" que sua presença se firmou para valer nas produções dos grandes astros da música mundial. Em 2009 ele foi eleito o 3º melhor DJ do mundo, atrás apenas de Tiësto e do Armin Van Buuren.

2010 promete para o DJ francês. David Guetta deve produzir faixas para Lady Gaga e Britney Spears. Além disso, poderá ser o produtor principal do novo disco da maior estrela de sua vida, Madonna, que deve lançar um álbum de inéditas em 2011.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

ENTREVISTA POP: Madonna na Rolling Stone (outubro 2009)


Do lado de fora da residência de Madonna em Londres, situada no bairro de Marylbone, há uma placa onde diz “Alguém famoso já pensou em morar aqui antes“. Hoje, esse alguém está de folga da etapa final de sua turnê Sticky & Sweet, e a casa está bastante movimentada. No subsolo, editores estão trabalhando em dois vídeos. No pouco iluminado hall de entrada, todo pintado de azul, com uma obra de arte em uma das paredes, há outras pessoas: um assistente, um operário, uma empregada e a personal trainer da Madonna irritada com uma matéria de um tablóide que exibe uma foto dos braços de Madonna [aquela que foi modificada grosseiramente dando à cantora um visual assustador]. “Recebo centenas de e-mails de pessoas do mundo inteiro que querem ficar com aquela aparência“, reclama a personal. Mas no “universo Madonna”, após 27 anos de escândalos e provocações, a foto não passa de um mero detalhe. Nas últimas três décadas ela já vendeu mais de 200 milhões de discos [mais do que qualquer outra cantora até hoje]; sua turnê Sticky & Sweet é oficialmente a mais rentável de todos os tempos para um artista solo, arrecadando 408 milhões de dólares.

Poucos dias antes de nossa primeira entrevista, 80 mil fãs em Varsóvia cantaram ‘Parabéns a você’ em sua homenagem. Madonna, que completou 51 anos de idade, segurou as lágrimas e disse, “Eu amo o que faço. Este foi o melhor presente de aniversário que já recebi“.

Nas duas partes em que a entrevista foi realizada – a segunda aconteceu na suíte da estrela em um hotel de Budapeste – Madonna, uma artista que raramente “olha para trás”, faz um verdadeiro mergulho dentro do seu incomparável legado musical.

Tendo crescido no subúrbio de Detroit, Madonna viu seu mundo balançar aos seis anos de idade com a morte de sua mãe. Sempre exibicionista, ela fez sua primeira apresentação em um show de talentos do colégio com o corpo todo pintado. Desafiando a autoridade de seu pai ao abandonar a universidade de Michigan, onde estudava dança, a futura estrela mudou-se para Nova York em 1978, sobrevivendo por meio de sessões de fotos nuas e fazendo pequenas apresentações em clubes como CBGB. Seu álbum de estréia, lançado em 1983 sob o título ‘Madonna‘, trazia os sucessos ‘Holiday e ‘Lucky Star‘, e seu salto definitivo para a fama aconteceu um ano depois com a força de ‘Like A Virgin‘ – apoiado por sua performance histórica durante o MTV Video Music Awards.

O primeiro single da Madonna não trazia sua imagem na capa. Todos achavam que Madonna era negra.

Vinte e cinco anos depois, Madonna continua a reinventar-se. Ela acaba de lançar ‘Celebration‘, uma coletânea dupla que reúne 36 sucessos [desde seu primeiro single 'Everybody' lançado em 1982] além de duas novas músicas, incluindo ‘Revolver‘, colaboração com Lil Wayne. A coletânea abre com ‘Hung Up‘, sucesso de 2005 “porque ela é uma música bombástica“, como define a própria cantora – mas não só por isso, a canção é um dos maiores singles de sua carreira, chegando ao primeiro lugar em 45 países.

Quando Madonna apareceu esta manhã, seu rosto tinha um ar de cansaço, e ela estava usando um top preto com uma estampa em formato de coração, além de uma pulseira da Cabala em seu pulso esquerdo. Ela estava sem maquiagem e sua voz tinha um resquício do sotaque britânico que ela adotou na última década. Desde seu divórcio, no ano passado, do diretor Guy Ritchie, Madonna voltou para Nova York, onde comprou uma imensa mansão no Upper East Side.

Vinte anos atrás, ela não parecia importar-se em revelar detalhes de sua intimidade com Sean Penn. Mas hoje em dia ela é bem mais cuidadosa a ponto de perceber os parâmetros exatos das minhas perguntas e de calibrar suas respostas. Ela atribui esse cuidado em parte à Cabala. “Eu não penso em mim, no passado, como uma pessoa mesquinha ou insensível, mas naquele tempo eu era capaz de falar mal das pessoas ou simplesmente dizer coisas sem pensar nas conseqüências“, declarou. “A Cabala mudou minha forma de enxergar a vida, então naturalmente ela mudará minha forma de pensar sobre a vida: não pensar como uma vítima, assumir a responsabilidade pelas minhas ações e palavras“.

Mas e como as pessoas a chamam? Madonna? Sra. Ciccone? Madge? “Todo mundo que eu conheço me chama de M“, diz ela. “Madge é uma coisa criada pela mídia inglesa. Ouvi duas versões sobre a origem desta palavra. Uma é de que Madge é um coloquialismo inglês, como um apelido aplicável a uma dona de casa, o que é totalmente oposto a quem eu sou. A outra é de que seja uma abreviação para ‘majestade’. Eu prefiro essa última“.

Austin:
Você cresceu em Pontiac, subúrbio de Detroit, de onde você recebeu várias influências musicais de festas e churrascos que você frequentava na sua vizinhança afro-americana. Do que se lembra?

Madonna:
A Motown estava por toda parte. Stevie Wonder, Diana Ross, os Jackson 5, foi com isso que eu cresci. Mas quando entrei para o colegial nos mudamos para outro bairro que era de classe média e branca. Não tinha mais festas, nem música alta do vizinho. Eu me sentia uma estranha. Foi aí que eu criei meu próprio mundo. Eu decidi então me tornar uma dançarina profissional. Me tornei mais introvertida e fugia de casa para ir a concertos. Descobri o poder da música a partir daquele ponto, não que eu pudesse articular a ninguém.

Austin:
Quais foram os primeiros concertos que você viu?

Madonna:
Meu primeiro foi o do David Bowie no Cobo Hall [em Detroit] quando eu tinha 15 anos. Ele tinha mímicos, foi incrível. Eu queria tê-lo visto como Ziggy Stardust. Meu segundo show foi Elton John e meu terceiro foi Bob Marley. Nada mal, não é?

Austin:
Nada mal mesmo. Você bebia nos shows?

Madonna:
No colegial? Nunca! Eu era uma ‘nerd’. Eu nunca bebi até o meu primeiro divórcio, [do ator Sean Penn] quando eu tinha 30 anos.

Austin:
É interessante ouvir você falar de Bowie como uma influência.

Madonna:
É que todos pensam que eu cresci sob influência da ‘disco music’. Meu irmão mais velho ficava no porão ouvindo The Who, Rolling Stones, Bob Dylan , “Whole Lotta Love” do Zeppelin , “Baba O’Riley” do The Who.

Austin:
Você performou “Baba O’Riley” em um show de talentos na sétima serie.

Madonna:
Minhas amigas pintaram meu corpo com flores e corações fluorescentes. Eu usei um short e um top, fiquei louca. Havia um holofote estroboscópico e luzes mais escuras, tenho certeza de que todos pensaram que eu era louca. Foi minha primeira vez no palco. Talvez o começo das minhas performances provocadoras, eu acho. Depois disso nenhuma garota queria falar comigo, e os garotos me olhavam de modo estranho.

Austin:
Você ainda se considera uma ‘nerd’?

Madonna:
Eu ainda uso expressões como “oopsie-daisy” [expressão antiga equivalente a "que droga", mas menos ofensiva e usada por pessoas que se sentem constrangidas em usar "palavrões"]. Enquanto crescia nunca me sentia uma pessoa legal, nunca fiz parte de uma turma. Mas ‘nerd’ não é uma palavra que as pessoas usem para me descrever. Exceto, talvez, o Stuart Price que me disse um dia, “No fundo você é uma ‘nerd’, mas ninguém sabe disso”. Eu entendi isso como um elogio. Eu sou bobinha e não sou legal.

Stuart Price deu um dos álbuns mais fáceis para a Madonna: ‘Confessions On A DanceFloor’ [2005]. Na visão dela, fazer esse álbum foi o mais tranquilo da sua carreira.

Austin:
Você se mudou para Nova York depois de deixar a Universidade de Michigan para se tornar uma dançarina. Como ocorreu essa transição da dança para o canto?

Madonna:
Foi uma questão de circunstâncias. Como eu era dançarina, comecei a ir para audições de teatro, onde era forçada a cantar. A maioria das pessoas era bem mais profissional do que eu. Eu pegava as letras e então alguém tocava piano, e eu cantava as músicas que conhecia. Como por exemplo, Aretha Franklin ou qualquer outra coisa vergonhosa.

Austin:
Em 1979 você morava no Queens com Dan e Ed Gilroy, que tinham uma banda chamada ‘The Breakfest Club’. Você acabou se juntando a eles e escreveu sua primeira música.

Madonna:
Ela se chama ‘Tell the truth’. Tinha uns quatro acordes, e também outros versos e um refrão. Foi uma experiência religiosa. Decidi que, se eu queria mesmo me tornar uma cantora, precisava saber como, precisava aprender a tocar algum instrumento. Nós morávamos em uma sinagoga abandonada e, quando eu voltava das aulas de música, servia de modelo para Dan, que era pintor. Eu era a musa dele. Ele me ensinou como tocar acordes. Quando eles não estavam em casa eu tocava bateria. Aprendi ouvindo Elvis Costello. Então um dia escrevi uma música e fiquei tipo, ‘quem escreveu isso?’. Quando o baterista deles deixou a banda eu assumi seu posto. Certa noite, no clube CBGB, eu implorei para eles me deixarem cantar e tocar guitarra. A posição do microfone parecia cada vez mais atraente.

Austin:
Em 1982 você fechou com a Sire Records. Entre as demos existia ‘Everybody’ que se tornou seu primeiro single. Quando foi a primeira vez que você ’se ouviu’ no rádio?

Madonna:
Eu morava no Upper West Side, na 99 com a Riverside. Eram umas 7 da noite e eu tinha um rádio no meu quarto ligado na estação KTU. Escutei ‘Everybody’ e disse ‘Oh meu Deus, sou eu saindo da caixa!’. Foi uma sensação incrível!

Austin:
Você ligou para o seu pai?

Madonna:
Não liguei para ele. Meu pai não teria ficado muito impressionado.

Austin:
Como você celebrou?

Madonna:
Naquele tempo eu andava com muitos grafiteiros: o Futura 2000, Keith Haring e Jean-Michel Basquiat. Jean-Michel, que me apresentou a Andy Warhol. Eu lembro que estávamos em um restaurante japonês na 2nd Avenue com a 7th Street, onde o Keith tinha vários desenhos na parede. Jean-Michel falava de como ele tinha inveja de eu estar tocando na rádio. Ele achava que eu tinha uma forma mais acessível de arte e Andy mandou ele parar de reclamar.

Austin:
Haring morreu em 1990, de AIDS, e Basquiat morreu de overdose em 1988. Eles foram artistas incríveis para a geração. Como você os conheceu?

Madonna:
Eu fui apresentada a Keith por um colega de quarto, mas eu já conhecia o trabalho dele nas ruas, metrôs e prédios. Então nós começamos a sair para o Danceteria, Mudd Clubb e Roxy. O pessoal do Rocksteady [estilo musical parecido com reggae e ska] estava lá. Nós dançávamos, assistíamos break-dance nos clubes e nas ruas.

O figurino ‘Old School’ da última turnê realizada, Sticky & Sweet, tem inspiração na grafitagem de Keith Haring

Austin:
Você fazia ‘grafite’?

Madonna:
Nas paredes, metrôs e calçadas.

Austin:
Qual era sua assinatura?

Madonna:
Boy Toy.

Austin:
Sério! Quem teve essa idéia?

Madonna:
Acho que foi o Futura. Ele é inteligente. Foi ele quem pintou meu quarto na 99, mas o dono não gostou. Nós tínhamos uma pequena gangue – Debi Mazar fazia parte dela. Nos chamávamos de as ‘Webo Girls’ – como ‘Huevos’, garotas com bolas.

Austin:
Você tem alguma pintura de Warhol, Haring ou Basquiat?

Madonna:
Eu tenho de todos. Keith e Warhol fizeram quatro para mim na época que me casei com Sean. São fotos da capa do The New York Post quando minhas fotos nuas apareceram na Playboy e na Penthouse. A manchete era ‘Eu não tenho vergonha‘. Então eles pegaram todas essas capas e pintaram por cima. Elas estão na minha casa em Los Angeles. Também tenho uma jaqueta de couro que Keith Harring pintou, nunca vou dá-las a ninguém.

Austin:
Desde o começo da sua carreira a transformação da sua imagem foi constante. Entre seus álbuns 1983, ‘Madonna’, e 1984, ‘Like A Virgin’, você passou por uma mega reinvenção, de uma morena punk para a loira no vestido de noiva. De onde veio tudo isso?

Madonna:
Eu não sei. Acho que comecei a escrever músicas mais sensuais e inconscientemente me transformei naquilo. Vem também do fato de que eu estava fazendo mais sessões de fotos, sempre vestida e estilizada. Antes disso eu fazia tudo sozinha, não tinha maquiador, eu pegava minhas meias-calças e as amarrava na minha cabeça, usava alguns rosários. Depois disso o Steven Meisel e o pessoal da moda começaram a me pôr em espartilhos. Eu acho que as pessoas dão muita atenção para a re-invenção e eu sou muito menos calculista do que pareço. Eu evoluo de acordo com o que estou interessada, com os livros que leio ou as roupas que vejo. Me chame de Zelig, daquele filme do Woody Allen em que o personagem muda de personalidade a cada pessoa diferente com quem fala. Acho tão chato ser sempre a mesma, uma garota precisa mudar seu visual.

Austin:
Quando você foi apresentada no Rock & Roll Hall of Fame tinha um vídeo da sua carreira e, quando você subiu no palco, fez uma piada sobre ‘todos os meus penteados horríveis’. Qual era sua você olha e mais odeia?

Madonna:
Acho que a fase do batom roxo e suéter verde fluorescente, e muitos desses penteados. Mas tudo bem, estamos falando dos anos 80, a era do penteado ruim.

Austin:
Por outro lado, existe algum momento que você olha para trás e diz ‘Nossa, eu era muito gostosa!’?

Madonna:
Você acha que eu vou te dizer? E ser aniquilada pelos próximos 10 anos? Não vou responder essa…

Austin:
Tem aquela famosa história de quando você performou no Radio City Music Hall em 1985 e a platéia estava tomada de clones seus. A ‘Virgin Tour’ começou em Seattle e percorreu todo o país. Foi Madonna-mania desde o começo?

Madonna:
A turnê foi muito louca porque eu saí do CBGB e do Mudd Club para tocar em grandes arenas. Eu toquei em um pequeno teatro em Seattle e as garotas estavam de saia, calças rasgadas, luvas de renda, rosários, laços no cabelo e brincos de argola. Eu pensava ‘Isso é loucura!’. Depois de Seattle todos os shows foram transferidos para arenas. Eu nunca fiz uma turnê de ônibus, todos dizem que é muito legal!

Austin:
Você não escreveu nem ‘Material Girl’ nem ‘Like A Virgin’. Qual foi sua primeira impressão após ouvir as demos?

Madonna:
Eu gostei delas porque eram ao mesmo tempo irônicas e provocativas, mas diferentes de mim. Eu não sou materialista e certamente não era virgem, e de qualquer forma, como alguém pode ser “como” uma virgem? Gosto de brincar com as palavras, eu as achava espertas. Tão bobas, tão legais.

Austin:
Não é materialista?

Madonna:
Eu me sinto sortuda de poder comprar um quadro da Fridah Kahlo e morar em uma boa casa, mas eu sei que consigo viver sem isso. Sou engenhosa, e se eu parar em uma casa no meio da floresta, eu terei que trabalhar. Essas coisas não são obrigatórias para minha felicidade. É isso que eu quero dizer quando ‘não sou uma pessoa materialista’.

Austin:
Você achava que essas duas músicas se tornariam grandes ‘hits’?

Madonna:
Não. Elas combinaram comigo. Eu nunca fui boa para julgar se as coisas se tornariam grandes ou não. As músicas mais retardadas que eu já escrevi como ‘Cherish’ ou ‘Sorry’, se tornaram grandes sucessos. ‘Into The Groove’ é outra música que eu me sinto retardada ao cantar, mas todo mundo parece gostar dela.

Austin:
Isso é porque ‘Into The Groove’ tem um baixo incrível!

Madonna:
É! Graças ao Stephen Bray. Sempre começava com um baixo e uma batida. Você construía a partir do zero, como em ‘Holiday’, ‘Hung Up’, ‘Music’. Eu penso que tem a ver com o fato de eu ser dançarina, porque é o baixo quem comanda quando você é dançarina. Você sente isso no seu centro de gravidade.

Austin:
Como você reage às criticas? Quando as fotos nuas apareceram na Playboy e na Penthouse você estava totalmente inatingível.

Madonna:
Foi a primeira vez que eu tive a atitude ‘foda-se’. Vocês querem me fazer sentir péssima por causo disso? Nunca vou deixar a opinião pública mudar o que eu penso sobre mim. Não vou me desculpar por algo que eu já tenha feito.

Austin:
Seu ex-empresário, Freddy DeMann, pensou que sua carreira ia acabar depois de sua performance de ‘Like A Virgin’ no VMA em 1984. Você ficou preocupada?

Madonna:
Ele estava branco feito um fantasma. Estava desapontado comigo, porque eu tinha rolado no chão, meu vestido tinha subido e todos podiam ver minha calcinha. No que eu estava pensando? ‘Meu sapato saiu do pé, não sei como colocá-lo de volta, vou descer até o chão para fazer isso’. Foi medonho e divertido, eu não sabia que iria significar tanto no meu futuro, milhões de coisas passavam pela minha cabeça.

Austin:
Não eram só suas performances que eram provocativas. Você não escreveu ‘Papa Don’t Preach’, mas é impossível imaginar outra pessoa cantando. O que aquela música significa pra você?

Madonna:
Ela era perfeita em conjunto com o meu gênio de estar contra as autoridades masculinas, mesmo sendo o Papa, a Igreja Católica ou meu pai e seus pensamentos conservadores e patriarcais.

Austin:
Qual foi a repercussão?

Madonna:
Fora muitas. Todos ficaram confusos. Mas para ‘Papa Don’t Preach’ existem muitas opiniões, por isso que achei tão legal. Perguntavam, ‘Ela é contra ou a favor do aborto?

Austin:
Há alguma idéia que você não levou adiante por ser muito chocante?

Madonna:
Eu fiz um ensaio fotográfico com Steven Klein para a capa do meu último álbum [Hard Candy]. Fiz um ensaio fotográfico com Steven Klein para a capa do meu último álbum, ‘Hard Candy’. Eu pintei a minha cara com tinta escura, exceto a minha boca que deixei com os lábios vermelhos e os olhos bem brancos. Era um jogo de palavras. Você já ouviu falar sobre a ‘Black Madonna’? Eu achava que poderia ter milhares de significados, seria um conceito legal para meu álbum. Mas então eu pensei ’só 25% das pessoas vão entender, ou ainda menos, penso que não vale a pena’. Isso acontece todo o tempo, por isso que tenho pessoas como Guy Oseary que cuidam de mim e dizem ‘não, você não vai fazer isso‘.

Austin:
Muitos fãs consideram ‘Live To Tell’, do seu álbum de 1986 ‘True Blue’, a música que melhor a descreve. Você se lembra de algo da época em que a escreveu?

Madonna:
Algumas vezes quando eu escrevo uma música, eu só canalizo. E posso dizer que ‘Live To Tell’ é sobre minha infância, o relacionamento com meus pais e minha madrasta. Mas talvez não. Pode ser também algo sobre uma novela ou ramance de F. Scoot Fritzgeral que escutei uma vez, não precisa ser necessariamente autobiográfica. Eu posso dizer o mesmo sobre ‘La Isla Bonita’, não sei de onde veio.

Austin:
Quer dizer que você nunca sonhou com San Pedro?

Madonna:
Eu nem sei onde San Pedro fica. Naquele tempo eu não viajava para ilhas maravilhosas, talvez eu estivesse indo para o estúdio e vi alguma coisa sobre San Pedro.

Austin:
Como você escreveu ‘Vogue’?

Madonna:
Eu escrevi enquanto fazia o filme ‘Dick Tracy’. Depois que nós gravamos o filme, Warren Beatty me pediu para escrever algo que se relacionasse com o ponto de vista da minha personagem, algo que ela poderia ter feito. Ela era obcecada com lugares secretos e ilegais e é assim que o filme começa. A idéia da letra veio daquilo. Coincidentemente eu estava indo ao Sound Factory onde tinha esses dançarinos que faziam uma nova dança chamada “vogueing” e então Shep Pettibone, que co-produziu ‘Vogue’ comigo, era DJ de lá e foi assim que aconteceu.

Austin:
Qual foi o maior desafio da sua carreira?

Madonna:
Trabalhar em ‘Evita’ com Andrew Lloyd e Tim Rice. Foi uma sensibilidade de canto totalmente diferente, eu precisava trabalhar muito com um treinador vocal para cantar com força e convicção. Muitas coisas foram gravadas ao vivo, e eu estava no estúdio com produtores e escritores estranhos e uma grande orquestra. A primeira música que eles queriam que eu cantasse foi ‘Don’t Cry For Me Argentiva’, que era a mais difícil. Eu quase comecei a chorar, me senti muito intimidada, mas depois consegui relaxar.

Com ‘Live To Tell’, de 1987, Madonna queria mostrar que tinha uma imagem séria para interpretar Eva Peron nos cinemas. O diretor ainda não acreditava no potencial da cantora, que ganhou o Globo de Ouro na categoria ’Melhor Atriz’.

Austin:
Em 1998 você retornou depois de quatro anos com ‘Ray Of Light’ trabalhando com o britânico da música eletrônica, William Orbit. Por que ele?

Madonna:
Depois de ‘Evita’ eu tive um bebê. Saí do mundo da cultura pop por um tempo e quando voltei estava me sentido com fome, curiosa, procurando algo novo. Durante aquele tempo eu estava ouvindo as musicas de William Orbit da gravação ‘Strange Cargo’. Ele é bem excêntrico e vive em seu próprio mundo. Eu estava longe tanto tempo e quando entrei no estúdio com ele me senti como se fosse atirada de um canhão. Eu tinha tantas idéias e ‘Ray Of Light’ reflete isso.

Austin:
Na maioria dos seus álbuns você procura produtores fora do radar como Orbit, Mirways e Stuart price. Mas para o ‘Hard Candy’ você mudou para ‘hitmakers’ como Timbaland, Justin Timberlake e Pharrel Williams. O que você tinha em mente?

Madonna:
Eu sempre penso ‘Ok, quem está fazendo música que eu gosto agora?‘ e eu realmente gostava da música de Timbaland e Justin. Justin é um escritor incrível, ‘What Goes Around…Comes Around?’ é brilhante! Então pensei que seria um bom desafio trabalhar com ele.

Austin:
Alguém já recusou trabalhar com você?

Madonna:
Claro, ou o artista ‘não tem tempo’. Eu queria trabalhar com Eminem, mas acho que ele não queria trabalhar comigo [risos] talvez ele seja tímido.

Austin:
Em 1996 você teve sua primeira filha, Lourdes. Depois sua família cresceu com Rocco, que você teve com Guy Ritchie, e depois David e Mercy, adotados do Malaui. Os seus filhos possuem músicas favoritas suas?

Madonna:
Com certeza. Lourdes gosta das minhas músicas mais antigas. Ela curte os anos 80, desde o jeito de se vestir até o que ela ouve. Rocco gosta de tudo que fiz com Timbaland. Ele é basicamente um garoto ‘hip hop’ e ‘eletrônica’. A música favorita do David é ‘Ha isla’, é desse jeito que ele a chama, ele é meu maior fã! Todos dizem que quando ele assiste ao show fica congelado do começo ao fim, estuda cada movimento, cada passo de dança [Sorrisos]. David não é parado como meus filhos mais velhos.

Austin:
Você e Lourdes foram juntas ao show de Lady GaGa em NY. Vocês vão a muitos shows?

Madonna:
Nós estamos apenas começando, gostamos do mesmo tipo de música. Eu acho Lady GaGa ótima, quando nós vimos ela eu senti um pouco de reconhecimento. Pensei ‘ela é especial’, tem algo interessante nela, não tem medo e é engraçada. Quando fala com o público parece inteligente e esperta. GaGa é única.

Austin:
Você consegue sentir a ambição das pessoas?

Madonna:
Sim. Tem pessoas como Justin Timberlake que são muito bonitas e descontraídas. Ele é tipo um Cary Grant. Eu o amo e adoro trabalhar com ele, mas não me vejo nele. Mas me vejo em Lady GaGa, no começo da minha carreira com certeza. Quando a vi não tinha muito dinheiro para a produção, ela tinha buracos na meia calça e erros por toda parte. Era uma bagunça, mas GaGa tem algo especial e foi bom ver aquilo num palco simples.

Madonna apresentou-se com Lady Gaga, de forma surpreendente, no ‘Saturday Night Live’, programa de humor mais famoso dos EUA.

Austin:
Outro artista que você admira é Sting. O que você pode falar sobre ele?

Madonna:
Eu considero Sting meu amigo, mas sou mais amiga da mulher dele, Trudie. Ele é um músico incrível que toca cinquenta instrumentos diferentes. Sempre me sinto intimidada por ele e sempre acho que ele me olha com superioridade. Não querendo me deixar triste, mas eu sou uma ‘pop star’ e ele um músico de verdade. Nós não falamos sobre música quando estamos juntos. Sting geralmente está no canto jogando xadrez ou tocando um instrumento de dezesseis cordas que eu nem sei o nome.

Austin:
Ano passado você e Guy Ritchie se divorciaram…

Madonna:
Você não precisa abaixar o seu tom de voz ao falar sobre isso, não é nenhum palavrão. Eu pensei que nós íamos falar sobre música, talvez se você conseguir conectar isso com música eu falarei sobre o divórcio.

Austin:
Então vamos falar de uma parte da letra de ‘Devil Wouldn’t Recognize You’ do ‘Hard Candy’: ‘I should just walk away/ Over and over, I keep on coming back for more [Eu devia ir embora/ de novo e de novo, eu sempre volto para mais]‘.

Madonna:
O que eu posso dizer? Ano passado foi desafiador. O trabalho me salvou, estou muito grata que tenha tido trabalho para fazer, se não eu teria me atirado de um prédio. A vida é sempre ajustada. Meus filhos não estão comigo agora, estão com o pai deles. Não estou confortável com a idéia deles não viverem juntos. Existem prós e contras, mas eu me sinto bem agora.

Austin:
O que você adora ao ter filhos de três países diferentes?

Madonna:
Quanto mais diversificado é o mundo em que você vive, mais aberto você é. Meus dois mais novos são da África, o que abriu meus olhos e me deu uma nova perspectiva do mundo. Minha casa é como uma propaganda da Benetton. Tenho babás francesas, seguranças israelenses, assistentes da Argentina e Porto Rico e também um cheff japonês e outro italiano. É incrível, eu adoro! Não gostaria que fosse diferente, minha vida é uma mistura de diferentes línguas e músicas.

Austin:
Eu estive no show de ontem em Budapeste e fiquei chocado. Nenhuma das músicas foi apresentada na forma original.

Madonna:
Mesmo as minhas músicas novas, eu preciso reinventá-las ou depois de algumas vezes ficarei enjoada de todas. Quando você vai reinventá-las senta por dias com seu diretor musical e sua banda. Inevitavelmente acaba usando o ’sample’ de alguém e daí precisa pedir permissão e pagar mais dinheiro. Já me disseram ‘você podia apenas ir lá, tocar violão e suas músicas como o Paul McCartney’ mas eu ficaria entediada. A alegria dos meus shows vem da mágica de criá-los – o teatro! Sou perfeccionista, gosto de trabalho duro, gosto de suar!

Austin:
Certamente. Você cantou ‘Into The Groove’ enquanto pulava corda.

Madonna:
Eu sempre tenho que fazer algo bem impossível nos meus shows e é esse o momento mais impossível. É muito difícil dançar e cantar ao mesmo tempo. É por isso que a maioria das pessoas que dançam não canta, pelo menos muito bem.

Austin:
Em ‘I’m Going To Tell You A Secret’, o seu documentário sobre a ‘Re-Invention Tour’, você está toda cheia de gelo como um jogador de basquete depois do show.

Madonna:
Depois do show eu sento numa banheira de gelo e fico lá por dez minutos. É doloroso ao entrar, mas você se sente tão bem depois. Sou uma atleta, meus tornozelos são enrolados antes dos shows e eu tenho terapia e tratamentos físicos. Isso vem de anos e anos de abusos dançando em salto alto, o que não é bom para seus joelhos. Todos os dançarinos têm machucados, mas temos que lidar com eles. Nós fazemos acupuntura e terapias e continuamos.

Austin:
Quando você olha para o público, o que você nota?

Madonna:
Algumas vezes é puro entusiasmo. Eu estava em Munique outro dia e tinha esse pai na primeira fila com sua filha nos ombros. Ela estava totalmente impressionada, sorrindo de orelha a orelha. Também do lado havia dois caras sem camisa cobertos de tatuagens minhas.

Austin:
Quando os fãs cantaram parabéns em Varsóvia você desmoronou em lágrimas.

Madonna:
Quando o público começa a chorar, tem um efeito contagiante. Chorar é complicado porque quando você chora não consegue cantar bem, sua garganta treme. Mas ao longo da turnê muitas coisas emocionantes aconteceram. Obama foi eleito logo antes de eu entrar no palco [em San Diego], nós rezamos antes do show e eu tinha lágrimas no meu rosto. Eu disse, ‘Eu me sinto como se estivesse vivendo um sonho’, então beijei o chão. Tenho vontade de chorar agora.

Austin:
Uma vez você disse à ‘Rolling Stone’, ‘Existem horas que eu penso que se eu soubesse que a fama seria assim não teria lutado tanto. Chega a ser demais, eu odeio ser examinada, eu não agüento mais!’. O que você pensa sobre a fama hoje em dia?

Madonna:
Vale à pena se você entender que também tem fim. Meu trabalho me permitiu fazer coisas fora do campo da música. Saber que minha experiência na África mudou a vida das pessoas para melhor, ver a vida deles mudando na minha frente, como eu não posso me sentir bem com isso? Eu não estou sempre bem, posso te afirmar. Ontem eu acordei no lado errado da cama, que bom que a entrevista foi hoje.

Austin:
Irritada?

Madonna:
Super irritada. Quando eu fico sem dormir não é muito engraçado. Você sabe, todo dia paro por um momento para pensar como minhas palavras e ações podem afetar as pessoas. Faço toda manhã e quando vou dormir, ‘O que vou fazer com o meu dia? O que fiz no meu dia?’.

Austin:
Na maioria das vezes, você está satisfeita?

Madonna:
Algumas vezes, mas outras vezes eu fracasso e penso que não faço nada a não ser causar caos. Mas sou um ser humano e erro, então depois eu esqueço de mim.

Rolling Stone Online: A rainha abre o coração

Nesta parte da entrevista [que só foi divulgada no site oficial da revista Rolling Stone], Madonna fala sobre como lida com as críticas, principalmente quando partem de sua filha Lourdes Maria, sua relação com Michael Jackson e Britney Spears.

Austin:
Sua energia no palco é incrível. Eu particularmente gostei de ‘Into The Groove’, que você cantou enquanto pulava corda na turnê Sticky & Sweet. Como você faz para manter tão boa forma?

Madonna:
Eu tenho dois programas de malhação. Aquele que eu faço em dias de shows, que deixa meu corpo aquecido e preparado de verdade, e aquele para quando estou de folga e que envolve tudo. O tipo de treinamento que eu faço incorpora desde o balé até Pilates, correr na esteira, pular corda, pular na cama elástica, ginástica olímpica, etc. exercitando todos os grupos musculares que eu uso para fazer o show. O mais importante é eu manter minha resistência cardiovascular. No começo da turnê passada eu estava patinando. Mas aí eu acabei desistindo de usá-los, pois vivia voando para fora da pista.

Austin:
Com que freqüência você chora no palco?

Madonna:
[Durante a turnê Sticky & Sweet] há um momento pouco antes de eu cantar ‘You Must Love Me’, que é uma canção bastante triste, quando tenho um tempo maior para conversar com a platéia. Nesta etapa da turnê, eu chorei quando estava falando a respeito dos dois homens que morreram no desabamento do meu palco em Marselha. Também chorei quando fiquei sabendo da morte de Michael Jackson.

Austin:
Você e Michael Jackson nasceram no mesmo mês, Agosto de 1958. Como foi para você vê-lo ainda criança fazendo tanto sucesso?

Madonna:
Eu era loucamente apaixonada por ele. Ele era muito talentoso. As músicas que ele cantava não eram nada infantis.

Austin:
Quando foi a primeira vez que você o viu pessoalmente?

Madonna:
Foi no começo dos anos 80, quando comecei a trabalhar com Freddy DeMann, que na época era empresário de Michael Jackson. Eu o vi no Madison Square Garden, e eu pirei. Ele foi impecável. Havia uma festa no Helmsley Palace Hotel. Ele era bastante tímido, mas para mim ele era único.

Austin:
Você sentia inveja dele?

Madonna:
De forma positiva. Queria ter escrito ‘Billie Jean’ e ‘Wanna Be Startin’ Something’. Não tem uma música dele que eu não goste.

Austin:
Dez anos depois surgiu um boato sobre um dueto, e, além disso, vocês foram juntos ao Oscar.

Madonna:
Houve uma época em que nós saíamos juntos. Ele queria trabalhar comigo. Penso que ele queria me conhecer e comecei a agir da mesma maneira. É uma experiência um pouco estranha compor com outra pessoa, porque você se sente vulnerável e tímido. Senti-me desse jeito quando trabalhei com Justin Timberlake. Compor com alguém é algo muito íntimo, é como ser atirada em um rolo compressor. ‘Em suas posições, preparem-se, criem!’. Você tem que superar esses obstáculos. Ou seja, ‘Eu quero impressionar esta pessoa, mas será que ela não vai achar minhas idéias estúpidas demais? E se as idéias dela forem estúpidas? Será que eu posso ser honesta com ela? Será que não irei ofendê-la?’. E aí você começa a conversar e a trocar idéias e você precisa agir assim para que a coisa aconteça de verdade, tem de ser criativa. E era isso que nós estávamos fazendo. Assistindo filmes, jantando, saindo, indo ao Oscar, agindo como duas crianças para ver se haveria química. Ele relaxou. Tirou os óculos escuros, bebeu uma taça de vinho, eu o fiz rir.

Austin:
Você é a única grande artista que não se deixou abater pelas críticas de que foi alvo ao longo dos anos. Por que você acha que elas conseguiram destruir a carreira de Jackson?

Madonna:
Tudo o que eu tenho são minhas opiniões, eu não tinha tanta intimidade assim com ele. É bom ter uma boa infância e ter noção de quem você é no mundo antes que as pessoas comecem a falar quem elas pensam que você é. Onde você pode cometer erros e ser inocente. Isso te dá mais noção de confiança. Não penso que ele tenha começado desta forma. Ele tinha alguma noção de quem ele era para o mundo, de ser adorado e ser famoso? É difícil sobreviver assim. Penso que ele se sentia inseguro sobre todas as atenções que recebia, e tinha uma relação de amor e ódio com seu trabalho. Ele não parecia ter amigos próximos. E na última década, todos o abandonaram, ou o taxaram de maluco. As pessoas dizem tantas mentiras a meu respeito e eu nunca pensei duas vezes sobre as acusações que fizeram contra ele, de que elas pudessem ser verdadeiras. Mas ele não parecia saber se defender, de forma pública ou privada, e isso pode te destruir. Quando ele morreu, todos começaram a falar sobre o quanto ele era um gênio, só que ninguém se lembrou de fazer isso enquanto ele estava vivo. É uma lástima.

Austin:
Britney Spears apareceu em um vídeo durante a música ‘Human Nature’ na sua turnê. Ela está presa em um elevador e começa a pirar. É a forma que você achou de fazer uma analogia com que aconteceu com a carreira dela?

Britney Spears chegou a fazer uma apresentação especial em 2008, na turnê Sticky & Sweet no show de Los Angeles

Madonna:
Sim. Não ficou bem clara minha intenção? ‘Não sou sua vadia, não venha me sacanear’. Eu penso que as pessoas deveriam cuidar de suas próprias vidas e deixá-la em paz para que ela cresça. Penso que todo mundo chega ao fundo do poço em algum momento da vida e ela, assim como o Michael Jackson, não teve infância de verdade, então há algo de inerente naquele cenário. Tenho muita compaixão por ela e espero que ela encontre harmonia em sua vida. Não faço idéia do quanto ela caiu. Mas as pessoas não deveriam acreditar em tudo o que lêem.

Austin:
Você descreveu a música como um veículo para transcender a miséria. Quando foi que você percebeu que a música tinha esse poder de cura?

Madonna:
Bem, todo mundo sabe que a música pode deixar você feliz, tirá-lo da pior e salvá-lo e, mesmo que você nem esteja ciente disso, está acontecendo. Não conheço uma única pessoa que não tenha dito, ‘Esta música salvou minha vida’, ‘Esta música foi a trilha sonora do meu verão’, ‘Esta música me tirou da forca’.

Austin:
Desde o começo, você foi classificada como ‘uma cantora de um único sucesso’. Em que momento você foi capaz de transformar essas opiniões em motivação? Eu acho que a virada definitiva aconteceu quando suas fotos nua apareceram na ‘Playboy’ e na ‘Penthouse’, e com a sua famosa frase ‘Não tenho vergonha’.

Madonna:
Foi algo que eu fiz e que estava totalmente fora do contexto, já que as fotos foram tiradas quando eu estava posando para aulas de fotografia. Foi tão injusto. Obviamente alguém estava tentando levar vantagem com o fato de eu estar ficando famosa e vendeu as fotos. Aquilo foi apenas uma forma de poder sobreviver quando eu cheguei à Nova York. Eu posava para aulas de arte: pintura, fotografia, desenho. Eu era bailarina, então eu era capaz de permanecer na mesma posição por um bom tempo e você conseguia ver os músculos do meu corpo. É um trabalho perfeitamente respeitável. Todos tentaram me deixar embaraçada, e tudo pareceu tão ridículo. Eu não diria que, a partir daquele momento, nada do que as pessoas dissessem a meu respeito pudesse me aborrecer, mas eu era capaz de usá-las como forma de, como você mesmo disse, motivação. Era o efeito contrário. Se você disser que eu não consigo, eu provarei que consigo. É como tudo na vida. Quanto mais resistência nós temos, mais pesados ficamos, mais seus músculos crescem. Possivelmente esta seja a razão de eu ainda ter uma carreira. Eu sempre lidei com resistência.

Austin:
Você acha que algumas das suas declarações e provocações de certa forma interferiram na qualidade da sua música?

Madonna:
É possível, mas tudo aconteceu como deveria acontecer. Não nego nada do que eu disse ou fiz. Lembro de quando estava fazendo meu documentário ‘I AM BECAUSE WE ARE’, e eu entrei na disputa no festival de Sundance. Uma mulher falou, ‘Você tem de decidir se quer ser uma artista ou uma ativista’. Então respondi, ‘E por que não posso ser ambas?’. Sempre agi desta forma.

Austin:
Em 1989, ninguém tentou impedi-la de dançar e cantar em frente às cruzes em chamas no clipe de ‘Like A Prayer’?

Madonna:
Para falar a verdade não foram muitas pessoas que se mostraram contra isso. Obviamente depois de pronto elas se mostraram contra, mas eu ignorei. Algumas vezes eu apenas o defendia. Eu penso que é desfragmentação religiosa, ou fanáticos que dizem fazer as coisas em nome de Deus, mas na realidade trazem sofrimento às vidas das pessoas é algo que precisa ser combatido, e eu senti que foi isso que eu estava fazendo. E quando eu cantei ‘Live To Tell’ na cruz [na 'Confessions Tour'] eu estava apoiando Jesus Cristo, pagando tributo à sua mensagem, que é a de amar ao próximo como a si mesmo, a de tratar as pessoas com dignidade. Mas os cristãos não gostaram muito da idéia.

Na ‘Confessions Tour’, Madonna causou polêmica ao cantar ‘Live To Tell’ crucificada. Antes disso, porém, ela já causava polêmica junto à igreja Católica. Em 1989, o clipe de ‘Like A Prayer’ foi banido em vários lugares do mundo por exibir cruzes pegando fogo e membros racistas.

Austin:
Quem você considera um gênio musical? Como você define ‘gênio’?

Madonna:
‘Gênio’ quer dizer tantas coisas diferentes. Pode ser sobre a poesia, ou a melodia, ou o timbre da voz quando alcança uma determinada nota. Seja Cole Porter, Elvis Costello, Joe Henry, Stevie Wonder, Cat Stevens, David Bowie, Lou Reed, Chrissie Hynde, Joni Mitchell, Iggy Pop, Elton John, John Lennon ou Chris Martin.

Austin:
Você cantou ‘Imagine’ na sua ‘Re-invention Tour’. Onde você estava quando John Lennon foi assassinado?

Madonna:
Eu estava no Upper East Side. Lembro de estar descendo do trem na 72nd Street, algumas horas depois do que aconteceu e havia uma multidão e carros de polícia, foi uma loucura. Todos estavam chocados. A forma como aconteceu era perturbadora, a violência pode te deixar muito paranóico. O acidente de carro da Princesa Diana, e o evento trágico com Michael Jackson, essas coisas fazem você ficar parado. Toda vez que eu cantava ‘Imagine’ eu percebia as pessoas na primeira fila chorando. Era contagiante. John Lennon despertava isso nas pessoas.

Austin:
Você pode apontar algumas inspirações para alguns dos discos que gravou?

Madonna:
Há tantas pessoas que são inspiradoras, artistas e filósofos. Eu me inspiro em pessoas que quebram as regras, como Martin Luther King, Al Gore e Ghandi. Tenho mais heróis obscuros como Frida Kahlo, Martha Graham e Eleanor Roosevelt. Para o disco ‘American Life’ eu diria que as inspirações foram Michael Moore e Che Guevara. Eu sempre me inspirei em pessoas que não têm medo de expressar suas opiniões, e falar sobre sexo e provocações e o que é certo ou errado. O que é correto e incorreto no comportamento de homens e mulheres, e brincar com esses limites. Obviamente que eu sei que se eu tivesse nascido homem, muito do que eu disse e fiz jamais teria recebido a atenção que recebeu. Essa realidade é bem evidente na minha cabeça.

Austin:
Algumas das suas melhores músicas – ‘Live To Tell’, ‘Like A Prayer’, ‘Cherish’ – foram colaborações com o compositor e produtor Patrick Leonard. Por que essa relação foi tão bem sucedida?

Madonna:
Nós dois viemos da mesma região e, no fundo, ambos somos ‘nerds’. Ele é melancólico, e ele é um músico classicamente treinado com um incrível senso de melodia. Nós tivemos uma ótima química desde o começo, sempre surgíamos com algo interessante. Normalmente nós não escrevemos canções frívolas, embora tenhamos feito isso também. Mas existe algo de mágico na forma como compomos.

Austin:
Falando um pouco sobre suas letras, quais são os versos de que você mais gosta dos que escreveu ao longo dos anos?

Madonna:
Eu gosto das letras das músicas menos famosas. ‘Miles Away’ e ‘Devil Wouldn’t Recognize You’. Elas são mais pessoais e menos acessíveis. Eu adoro a letra de ‘Like It or Not’. [Cantando] ‘I’ll be the garden, you’ll be the snake, all of my fruit is yours to take, better the devil that you know, your love will surely grow’. E eu adoro ‘Paradise [Not For Me]‘. [Cantando] ‘I can’t remember when I was young, I can’t explain if it was wrong’.

Austin:
Qual a importância dos ‘hits’ para você?

Madonna:
Bem, elas são importantes, não vou mentir. Eu quero que a minha música seja acessível e alcance pessoas ao redor do mundo.

Austin:
Quem você gosta de ouvir?

Madonna:
Eu escuto música o tempo todo. Tenho muitos amigos que são DJs, ou então recebo coisas de outros artistas, dos meus agentes, ou vou a um clube ou simplesmente ouço rádio. As pessoas sempre trazem música para as minhas aulas de malhação e toda Terça-Feira eu confiro a lista do iTunes. Tenho dois amigos que são DJs em Nova York e eles estão sempre me apresentando coisas novas. Não vivo em uma bolha.

Austin:
Sua filha mais velha, Lourdes, lhe apresenta à nova geração musical?

Madonna:
Ela me apresentou Ting Tings. Há uma banda nova chamada Disco Bitch. Ela adora My Chemical Romance e já superou ‘a febre’ Jonas Brothers. Ela adora Lady Gaga, Ciara, T.I. e Justin. Vive com o iPod grudado nos ouvidos.

Austin:
Ela a critica?

Madonna:
Ah sim. Meus concertos, minha música. Ela é honesta de uma forma brutal, não apenas comigo, mas com todo mundo, sobre o que você está vestindo, com quem está namorando, as músicas que você ouve, cada escolha sua. Nós estamos usando o mesmo tamanho agora, ela pega as minhas roupas, meus sapatos, vive enfiada no meu armário. Além disso, ela está trabalhando na turnê agora. Agora parecemos mais como amigas e brigamos o tempo todo. Uma relação normal de mãe e filha que está passando pela puberdade.

Austin:
É muito incomum para você ser confrontada com opiniões tão honestas? Imagino que haja muitas pessoas andando em ovos quando você está por perto.

Madonna:
Eu penso que sou muito boa em identificar quando alguém tenta me sacanear. Eu prefiro pensar que tenho amigos que são honestos comigo e pessoas com quem trabalho que me dizem coisas que eu não quero ouvir. Eu tenho essas pessoas no meu dia a dia e tenho sorte de tê-las.

Austin:
Qual a função da Lourdes na turnê?

Madonna:
Ela ajuda os bailarinos a se vestir. Ela ajuda na maquiagem e no cabelo, vive fazendo experiências. É muito talentosa. Ela poderia tranquilamente ter sua própria linha de criação de roupas, pois ela tem muito estilo. Todos vivem lhe perguntando o que ela acha do visual deles. A ela, não a mim.

No último show da turnê ‘Sticky & Sweet’, em 2009, Madonna encerra o show ao lado da filha, e elas dançam juntas o hit ‘Give It 2 Me’.

Austin:
Quais objetos você considera os de maior valor?

Madonna:
Eu tenho pilhas de cadernos com composições minhas de décadas. Outras coisas são mais maternais, como o primeiro sapatinho que minha filha usou, o primeiro fio de cabelo.

Austin:
É um sentimento agridoce, o rompimento com a Warner Bros., após passar sua carreira toda lá?

Madonna:
Não sei dizer. A indústria fonográfica que conhecemos não existe mais. O mercado musical hoje é completamente diferente do que era no começo. É uma evolução natural. Por um lado, está bem melhor agora, porque os jovens têm a chance de se lançar no mercado sem tanta burocracia e sem intermediários, toda aquela bobagem que só atrapalha. Por outro lado, não há ninguém dando apoio para que elas sigam em frente. Não sei qual a solução para isso. Acredito que vai voltar tudo à estaca zero outra vez. Mas eu me sinto bem assim.

Madonna entra para o ‘Rock and Roll Hall of Fame’ em 2008 e recebe o prêmio de Justin Timberlake.

Austin:
Na entrega do Rock And Roll Hall Of Fame, você resumiu seu discurso dizendo, ‘Tudo se volta para a música’. Você pensa no seu legado ou, daqui a cem anos, em como você será lembrada?

Madonna:
Não necessariamente. Mas quando eu faço meus shows e vejo como a música carrega as pessoas, mais do que qualquer coisa quando eu vejo as pessoas chorando, ou estáticas, é como a música afeta as pessoas e o poder que ela tem, sobre qualquer outra forma de arte. Sinto-me tão inspirada por outras pessoas – sou um ser humano como qualquer outro. Nós devemos todos partilhar dessa mesma conexão. Sinto-me privilegiada e abençoada por ser um canal para a música. No fim das contas, as pessoas irão pensar no sapato que usei no VMAs ou na minha foto nua no jornal, ou vão se lembrar de ‘Live To Tell’? Penso que no fim das contas elas irão se lembrar da autenticidade. Elas se lembram do que é verdade, e o resto se perde pelo caminho. Elas se lembram do que vem do coração.

PERSONAGEM DA SEMANA: Anthony Kieds

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

OS MAIORES HITS DE 2009 - BILLBOARD HOT 100

1.The Black Eyed Peas - BOOM BOOM POW
2.Lady Gaga - POKER FACE
3.Lady Gaga Featuring Colby O'Donis - JUST DANCE
4.The Black Eyed Peas - I GOTTA FEELING
5.Taylor Swift - LOVE STORY
6.Flo Rida - RIGHT ROUND
7.Jason Mraz - I'M YOURS
8.Beyoncé - SINGLE LADIES (PUT A RING ON IT)
9.Kanye West - HEARTLESS
10.The All-American Rejects - GIVES YOU HELL
11.Taylor Swift - YOU BELONG WITH ME
12.T.I. Featuring Justin Timberlake - DEAD AND GONE
13.The Fray - YOU FOUND ME
14.Kings Of Leon - USE SOMEBODY
15.Keri Hilson Featuring Kanye West & Ne-Yo - KNOCK YOU DOWN
16.Jamie Foxx Featuring T-Pain - BLAME IT
17.Pitbull - I KNOW YOU WANT ME (CALLE OCHO)
18.T.I. Featuring Rihanna - LIVE YOUR LIFE
19.Soulja Boy Tell 'em Featuring Sammie - KISS ME THRU THE PHONE
20.Jay Sean Featuring Lil Wayne - DOWN
21.Miley Cyrus - THE CLIMB
22.Drake - BEST I EVER HAD
23.Kelly Clarkson - MY LIFE WOULD SUCK WITHOUT YOU
24.Beyoncé - HALO
25.Katy Perry - HOT N' COLD

PERSONAGEM DA SEMANA: Marquinhos Moura

domingo, 3 de janeiro de 2010

CLIPE DE DOMINGO: Marina Lima e Caetano Veloso – “Nosso Estranho Amor” – Olhos Felizes

ESSE CLIPE DARIA UM FILME: “Thriller” com Michael Jackson

É sempre muito difícil para mim fugir do óbvio. Gosto de gente sincera e que não engana. Portanto, sempre quando começo uma nova série neste blog dedicado à música pop eu não fujo da raia: Madonna e Michael Jackson, os mais pop's do mundo SEMPRE.

Começa hoje no Banana Pop a série: “Esse clipe daria um filme”. São vídeos que foram inspirados em algum filme ou que simplesmente são um curta-metragem mesmo. O que não vale aqui é trilha sonora, o foco destes posts é outro.

Para começar, Michael Jackson. Quer clipe com mais cara de filme do que “Thriller”? Não tem mesmo. Curte aí:

Michael Jackson-Thriller
Enviado por RuiAnacleto. - Ver os últimos vídeos de musica em destaque

PROPAGANDA POP: Madonna, uma paixão internacional

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...